terça-feira, 5 de julho de 2016


A Babilônia do Apocalipse, o Vaticano. As Bestas do Apocalipse.



“Uma das mais poderosas instituições religiosas e capitalistas do mundo, a Igreja Católica tem US$ 3 trilhões em bens imóveis e quer aumentar sua rentabilidade para aplicar mais no social, diz o papa Francisco”. Fonte:


Eu, Waldecy Antonio Simões, internauta ativo na propagação da Palavra de Deus, pertenço a uma das 398 congregações pelo mundo que santificam o sábado como o Dia do Senhor, portanto somos os remanescentes que não aceitaram a subserviência aos papas romanos de tantos erros, servos de Satanás. Siga o Link:

http://gospel-semeadores-da.forumeiros.com/t12521-todas-as-igrejas-que-guardam-o-sabado. 

“Ainda que o número dos filhos de Israel seja como a areia do mar, o remanescente é que será salvo”. Romanos 9:27


Abaixo, em Mateus, 11.7  Jesus exclui das riquezas e dos palácios de reis -- tal como o fabuloso Vaticano -- João Batista, seus apóstolos e todos os cristãos verdadeiros, por todos os tempos, também eu e você

“Ao partirem eles, começou Jesus a dizer às multidões a respeito de João: que saístes a ver no deserto? um caniço agitado pelo vento? Mas que saístes a ver? Um homem trajado de vestes luxuosas? :. Eis que aqueles que trajam vestes luxuosas estão nas casas dos reis”.  

Viver pela Bíblia é exercício cristão, apostolado, função evangelizadora e nunca posição. Mas papa católico, desde sua existência, sempre foi posição, chefe, rei, "Sumo Pontífice", Deus na Terra (como apregoaram), e como tal, regente único, acima de todos e muitos e muitos deles se compararam a Deus, o Todo Poderoso. Com respeito ao papado romano, os absurdos sempre aconteceram. Vejamos:

Ninguém de modo algum vos engane... o filho da perdição se elevará sobre tudo o que se chama Deus, de sorte que se sentará no templo de Deusapresentando-se como se fosse Deus”.  2 Tessalonicenses 2:3.

Tais agressões ao Senhor Deus realmente aconteceu e ainda acontece, apenas pela simples existência do Fabuloso Vaticano que comanda um patrimônio mundial de três trilhões de dólares.

Vejamos os absurdos satânicos dos papas católicos por pretenderem seus Deus na Terra:

 "O Papa é de tão grande autoridade e de um poder tão grande que pode modificar, explicar ou interpretar mesmo as leis divinas... O Papa pode alterar a lei divina, visto que o seu poder não procede do homem, mas do próprio Deus, e atua como vice regente de Deus sobre a Terra com amplitude de poder para atar e desatar os membros de sua grei (santo povo)", “Manifesto do Papa II, Lucius Ferraris, Prompta Bibliotheca, v. 6, pg. 25).   Uma gigantesca agressão a Deus, bem próprio do papado romano.

“O sacerdote é o homem de Deus, o ministro de Deus... Aquele que despreza o sacerdote despreza Deus; aquele que o ouve, ouve a Deus. O sacerdote perdoa pecados como Deus, e aquilo que ele chama de seu corpo no altar é adorado como Deus por ele mesmo e pela congregação (...). Está claro que a sua função é tal que não se pode conceber nenhuma maior. Portanto, eles não são simplesmente chamados de anjos, mas também de Deus, mantendo como fazer o poder e autoridade do Deus imortal em nós”.  A doutrina católica, segundo resoluções do Concilio de Trento (1545-1563) Edição Rara, Publicação Rio de Janeiro: A. p. Guimarães & Ca. 1864. Biblioteca da PUC RJ.

“Não somos simples mortais. Ocupamos na terra o lugar de Deus, estamos acima dos anjos e somos superiores a Maria, mãe de Deus, porque ela deu a luz a um Cristo somente, mas nós, podemos fazer quantos Cristos quisermos.  Afirmações do Papa “São” Pio IX, ao final do século 19, o papa “São” Pio IX, graças ao “santificador” João Paulo II. Gazeta da Alemanha número 21 do ano de 1870.   


"Crer que nosso Senhor Deus, o Papa, não tem poder para decretar assim como ele tem decretado, deve ser considerado heresia." Nosso Senhor Deus, o Papa”. "Dominum Deem nastrum Papam".    O Brilho dos Extravagantes (2) do Papa João XXII, Inter, título 14, capítulo 4, "Ad Callem Sexti Decretalium", Coluna 140, Paris, 1685. (Em uma edição de Antuérpia dos Extravagantes, as palavras, "Dominum Deum Nostrum Papam". "Nosso Senhor Deus o Papa", podem ser encontradas na coluna 153).   

Porque ele é o vigário de Cristo, que é o "mesmo Deus e o mesmo homem". Decretal D. Gregor. Pap. IX. lib. 1. de translat. Episc. tit. 7 c. 3. Corp. Jur. Canon. ed. Paris, 1612; tom. II Decretal. col. 205.

"...Nós detemos nesta terra o lugar de Deus Todo-Poderoso..."  O Papa Leão XIII, em Praeclara Gratulationis Publicae. A Reunião da Cristandade. Encíclica promulgada em 20 de Junho de 1894.   

Não o Criador do Universo, em Gênesis 2, mas a Igreja Católica pode reivindicar para si a honra de haver outorgado ao homem um repouso a cada sete dias. Storia della Domenica, S.D. Mosna, de 1969, pg. 366.  .

 “A Igreja de Deus, porém, achou conveniente transferir para o domingo a solene celebração do sábado”. Catecismo católico, Edição 2, Editora Vozes, Petrópolis, RJ. 1962. 

 “É melhor buscar refúgio no Senhor, que confiar nos homens”. Salmos 118:8.


Publicação da Editora Abril.


(Infelizmente, nem sempre os links são mantidos, por isso pode dar erro, mas está reproduzido abaixo)



O império do Vaticano.


Por quase 2 mil anos, os papas foram muito mais que líderes religiosos. Nomearam reis, governaram vastos territórios e até comandaram tropas no campo de batalha. E ainda hoje têm poder para chacoalhar o mundo.

Por Reinaldo José Lopes, da Abril.

“A passagem é uma das mais famosas da Bíblia. Diante da fé inabalável de seu discípulo Simão, Jesus teria declarado: “Eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja. Darei a ti as chaves do Reino dos Céus”. A frase se tornou a base da autoridade dos papas. Como sucessores diretos de Pedro, eles teriam de guiar todos os cristãos do mundo, seguindo os ensinamentos de Jesus. Os papas, entretanto, não se contentaram com os Céus. Acabaram se tornando donos das chaves de muitos reinos da Terra.

Apenas três séculos após a morte de Pedro, os pontífices deixaram de ser líderes de uma seita perseguida para virar interlocutores de imperadores. Com o tempo, tornaram-se senhores de seu próprio império, governando grandes extensões de terra na Itália e fora dela, só perdidas no século 19. Em sua busca por território e poder, negociando nos bastidores ou comandando exércitos pessoalmente, houve momentos em que os papas pareciam ser capazes de moldar o mundo como quisessem”.

Em 1870, o poder mundano do papado romano foi retirado à força, mas por conta, também, do Iluminismo e dos que não aceitavam mais os desmandos do papado e já não acreditavam mais no poder da tal excomunhão que nunca havia valido para nada, mas que sempre havia sido um forte instrumento do poder papal, provocado pelo medo da exclusão na Eternidade. O Papa Pio IX foi o último dos papas reis, incrivelmente elevado a  "santo" de Deus pelo maior santificador do mundo: O Papa João Paulo II, como se tal procedimento valesse alguma coisa perante o Senhor Deus.

O papa Inocêncio III, o mesmo que assinou os termos da pavorosa Inquisição Católica, o mesmo que decretou oficialmente que Jesus está vivo em sangue e osso na minúscula partícula de trigo, como se pudesse ser possível fazer de um padre o próprio Deus, pois só Deus poderia criar quantos cristos vivos quisesse (foi aí que se iniciou a adoração a uma rodela de trigo), e  da tal confissão a um padre, tentando fazer dele um intermediário obrigatório para que o católico receba o perdão de Deus (uma grande tolice e inegável mentira), esse papa nada santo, ou melhor: esse papa de Satanás decretou, também, que os cruzados católicos fizessem carga, ou seja, para que atacassem mortalmente os cátaros, os puros, que viviam ao sul da França, aos quais o papado deu o nome de Albigenses.


Esse povo era chamado de puros por não se defenderem com armas contra os ataques ao seu povo, imitando a Jesus que disse para oferecer a segunda face. Mas esse povo, por não revidar, foi mortalmente atacado a mando do papado romano Inocêncio III e todos foram trucidados dos mais diversos modos e das formas mais terríveis pelos Cruzados católicos. Colocavam homens, mulheres e crianças dentro dos templos, lacravam as portas e tocavam fogo em tudo. 


Ao som dos pavorosos gritos mortais dos executados, os frades católicos cantavam o “Te Deum” cujo texto significa “Te damos graças, Senhor”. Fontes nos livros abaixo relacionados.

Segundo os livros abaixo colocados, sendo um deles “OS PIORES ASSASSINOS DA HISTÓRIA” que retrata as impiedades da Igreja Católica através do papado romano de Satanás, depois de estuprarem as mulheres e jovens albigenses, dois dos cruzados seguravam os braços abertos delas, outros dois seguravam as pernas bem abertas, e  numa impiedade sem par, apavorante, dois outros enfiavam na vagina delas uma lança bem pontuda e afiada fazendo-a sair pela boca, “para que daquele ventre nunca mais nascesse um inimigo do papa” e da doutrina católica. Depois, espetavam seu corpo em estacas á beira do caminho para dar o exemplo de que ninguém poderia criticar os erros da doutrina católica ou opor-se ao papado romano, como faziam os albigenses exterminados (Reflita um pouco sobre o terrível sofrimento delas).

“Livro das Sentenças da Inquisição”. (Liber Sententiarum Inquisitionis) o bispo dominicano Bernardo Guy (Bernardus Guidonis, 1261-1331), conta como se deveria usar a tortura de modo bem convincente, provocando toda a dor possível sem matar, para sobrar o gosto satânico de ver o semelhante assado nas fogueiras de Satanás em praça pública.

Ninguém de modo algum vos engane... o filho da perdição se elevará sobre tudo o que se chama Deusde sorte que se sentará no templo de Deusapresentando-se como se fosse Deus” II Tessalonicenses, 2.3.


Para avaliar o que representa o Vaticano em termos espirituais, sempre faço uma pergunta: Se fosse possível Jesus ou Simão Pedro viessem à Terra hoje para melhorar acertar os erros doutrinários, acaso habitariam o ostentoso e esplendoroso Vaticano; se vestiriam como os papas e se assentariam no majestoso trono deles do qual nunca desgrudaram seus traseiros?   Conservariam as riquezas do Vaticano; seus bens e imóveis por todo o mundo alcançariam a estrondosa cifra de três trilhões de dólaressegundo a Mídia de 2016?  Não?  Então, o Vaticano nunca teve e não tem nada tem a ver com Jesus.


O que Jesus quer de seus herdeiros:

“Por que vos foi concedida a graça de padecerdes por Cristo e não somente credes nele...”.  Filipenses, 1.29.  

Não há como se afirmar que os papas tinham e têm alguma coisa a ver com esse preceito importante do cristianismo, pois ao contrário de padecerem, decretaram sofrimento e morte a centenas de milhares. Crer em Jesus é uma grande piada em se tratando dos papas, pois fizerem tudo ao contrário do que Jesus disse e viveu para dar o exemplo.

O Vaticano de tantas glórias humanas sempre fugiu, como foge hoje, do sentido  de espelhar-se verdadeiramente na Igreja que Jesus deixou instituída antes de subir aos Céus, à qual podemos chamar de A Igreja Certinha Deus Jesus.  No século V foi inventada a Igreja Católica e os "Sumos Pontífices" e no decorrer do tampo, principalmente nos seis séculos da Pavorosa Inquisição, tempo todo dominado pelo próprio Satanás, esse sim que todos os dias estava com papado romano e seus asseclas corrompidos, em seus insólitos e famigerados Concílios, assim como o de Laodicéia, o de Toulouse, no catecismo foi criada uma doutrina que se assemelha e se pode considerar a maior das seitas do mundo.

http://souocatolicismomeupassadomecondena.blogspot.com.br/

Ao subir ao Céu depois de 40 dias após a Ressurreição, Jesus declara que deixou seus mandamentos para que fossem seguidos à risca, mas não foram seguidos.  A Igreja da humildade, da pobreza real, do perdão e da tolerância irrestritos só era imitada pelos REMANESCENTES que jamais deixaram de existir, nem nos seis séculos de pavor e horror praticados pelo papado romano. Refiro-me a uma Igreja sem imagens, sem culto a santos mortos, sem Purgatórios ou Limbos, sem as inúteis orações pelos mortos, sem  o tal domingo querendo tomar o lugar do santo e abençoado sábado de Deus; sem que o Perdão de Deus tenha de passar por um intermediário humano; sem padres que podem criar quantos cristos quiserem nas missas; sem a inútil clausura na qual o homem se esconde das sujeiras do mundo e muitas outras coisas a mais.  

O que sabemos pela História é que a Igreja, a partir de Constantino, com o passar dos séculos se tornou voluptuosa por poder, dinheiro e prestígio humano, por glórias mil, guerreira de sangue, vingativa, opressora, dona da vida e da morte, saqueadora e que por bom dinheiro "conseguiu" lotear o Reino de Deus vendendo lugares eternos a quem pudesse pagar bem; assolando até raças inteiras, tal como no genocídio dos albigenses, dos huguenotes  e, por consequência, corrompida ao extremo dos extremos, pois lançou a Palavra de Deus no mais sujo dos lixos, além de alimentadora de ódios a judeus e a outros povos, sem falar que os papas se puseram no lugar do Senhor Deus ao vender lugares cativos no Paraíso Celeste e corromper preceitos bíblicos na implantação da tal doutrina católica. Detalhes em meu blog:


Ao visitar a Roma de Leão X, depois de tomar conhecimento da extensa corrupção católica, assombrado, Martinho Lutero, escreveu: “Ninguém pode imaginar as ações infames e os pecados que se cometem em Roma. Se existe mesmo o Inferno, Roma está construída sobre ele”.

Como está provado pela História e as grandes enciclopédias, os papas se proclamaram Deus na Terra. Vejamos que os procedimentos destas ralé corrupta já estava profetizado: 



"Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição; o que se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora;  de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus”.      2 Tessalonicenses, 2.3 e 4.

Essa insensata auto proclamação dos papas ao grau da Santidade do Senhor Deus, além da altíssima corrupção moral e física de todo o clero católico, consistiu num dos motivos vários que provocaram fortes acusações do frade Jeronimo Savonarola contra eles todos.  Savonarolla, repetindo o Apocalipse denomina o Vaticano e tudo o que representa como sendo a Grande Prostituta de toda a sorte de devassidão, segundo o Apocalipse 17:

 “Tu profanaste os sacramentos pela simonia, clama ele à sua Igreja. A tua luxúria fez de ti uma prostituta. És um monstro abominável. Criaste uma casa de devassidão. Transformaste-te, de alto a baixo, em casa de infâmia. E o que faz a mulher pública? Acena a todos os que passam; quem tiver dinheiro pode entrar e fazer o que lhe apeteça. Mas quem quer o bem é expulso. Foi assim, Igreja prostituída, que desvendaste a tua vergonha aos olhos do universo inteiro e o teu hálito envenenado se elevou até ao céu”.  Fonte: TINCQ, Henri - Os Génios do Cristianismo. Histórias de profetas, de pecadores e de santos. Lisboa: Gradiva, 1999.

Por isso, tremenda foi a vingança vaticana contra o frade Savonarola ao final do século 15, pois foi enforcado e, depois, por ódio incontido do Papa Alexandre VI,  o Bórgia, teve seu cadáver também queimado nas fogueiras da Igreja, juntamente com seus auxiliares, também clérigos católicos. Bem profetizou o Evangelho:

. “...mas virá a hora em que quando vos matarem, julgarão estar prestando culto a Deus”.  O Evangelho de João, 16.2.  

“Babilônia a grande, a mãe das prostitutas e das abominações da Terra. Vi à mulher embriagada com o sangue dos santos e do sangue dos mártires de Jesus. Quando a vi fiquei assombrado com grande assombro”.  Apocalipse, capítulo 17.

Essa profecia do capítulo 17 do Apocalipse, na verdade começa no capítulo 16:19 e segue sem interrupção até o capítulo 19, que retrata O FUROR E A IRA DE DEUS CONTRA O VATICANO, SEUS HOSPEDES E A TUDO O QUE REPRESENTA. Esses capítulos citados representam O GRANDE JULGAMENTO E A QUEDA MORTAL DE TUDO LIGADO AO VATICANO.

Vamos ao final da Profecia:


“E, depois destas coisas ouvi no céu uma grande voz de uma grande multidão, que dizia: Aleluia! A salvação, e a glória, e a honra, e o poder pertencem ao Senhor nosso Deus.  Porque verdadeiros e justos são os seus juízos, pois julgou a grande prostituta, que havia corrompido a terra com a sua fornicação, e das mãos dela vingou o sangue dos seus servos. E outra vez disseram: Aleluia! E a fumaça dela sobe para todo o sempre”.  Apocalipse 19:1 a 3

Os Mártires de Jesus citados eram justamente os "hereges" perseguidos de morte pelo papado romano de Satanás.   Por isso tudo, alegro-me grandiosamente no Senhor por ser um desses aos quais os clérigos nomeiam, ainda hoje,  como sendo protestantes hereges!


Quando ao evangelista João, foram mostradas fases do futuro apocalíptico para a Terra, tais como as grandes tragédias e ele surpreende-se sem se assombrar, mas quando lhe foi mostrado o que aconteceria com a amantíssima Igreja de seu adorado Mestre, ele assombrou-se como jamais alguém poderia assombrar-se. 

  Vi à mulher embriagada com o sangue dos santos e do sangue dos mártires de Jesus. Quando a vi fiquei assombrado com grande assombro". Apocalipse, 17.6. 

Na verdade, décadas antes,  ao amado profeta do Senhor, Daniel, lhe fora concedido ter a mesma visão do que aconteceria com a Igreja de Deus, e Daniel também se assombrou com grande assombro:

“Proferirá palavras contra o Altíssimo; magoará os santos do Altíssimo e cuidará em mudar os tempos e as leis, e os santos lhe serão entregues nas mãos...”.  Quanto a mim, Daniel os meus pensamentos (a respeito) muito me perturbaram e meu rosto empalideceu, mas guardarei essas coisas em meu coração”.    Revelações do Espírito Santo de Deus, em Daniel, 7.25 3 28, que profetiza o que o homem chegaria a fazer com a Igreja de Jesus, principalmente na Idade Média.

O santo apóstolo Paulo, que certamente falava e escrevia pelo Espírito Santo de Deus,  já sinalizava o que esperava de seus sucessores, mas foi em vão, pois sobraram só os remanescentes da Palavra Escrita, os que sobraram dos milhares deles que foram executados pela “Igreja de Jesus”, dominada por Satanás que na verdade se tornou a maior das seitas do mundo, segundo a blog abaixo:


http://souocatolicismomeupassadomecondena.blogspot.com.br/

“Admoesto-vos, portanto, que sejais meus imitadores”. I Coríntios, 4.16.  Basta ler sobre Paulo para perceber a imensa diferença de seu apostolado com os papados de ontem e de hoje.

Vamos identificar, aqui, absolutamente Segundo as Escrituras, quem é a Babilônia dos infernos e a grande prostituta das abominações da Terra.

As profecias do Apocalipse a respeito da Babilônia dos pecados gravíssimos contra o Senhor, portanto a favor de Satanás, começam no final do capítulo 16:19 do Apocalipse e só termina no capítulo 19. 

“E  lembrou-se Deus da grande babilônia para dar-lhe o cálice do vinho do furor de sua ira”. Apocalipse, 16.19.

A seguir, a Palavra Escrita inicia a descrição da grande prostituta, da Babilônia, a grande Babilônia, a morada dos demônios, o covil de toda espécie de espírito imundo, o covil de todo gênero de ave imunda e detestável, a qual já forneceu o vinho de sua prostituição a reis e a mercadores, que se embriagou com o sangue das testemunhas de Jesus segundo Apocalipse, 17.6 e 18.2.

"Veio um dos sete anjos que tinham as sete taças e falou comigo, dizendo: “Vem cá, e te mostrarei a sentença contra a grande prostituta, a que está sentada sobre muitas águas. Com ela fornicaram os reis da terra, e os habitantes da terra que têm se embriagado com o vinho de sua fornicação”. Levou-me no Espírito ao deserto, e vi a uma mulher sentada sobre uma besta escarlata cheia de nomes de blasfêmia, que tinha sete cabeças e dez chifres. A mulher estava vestida de púrpura e escarlate, enfeitada de ouro, pedras preciosas e pérolas, e tinha na mão um cálice de ouro cheio de abominações e da imundície de sua fornicação. Em sua fronte, tinha um nome escrito, mistério: Babilônia a grande, a mãe das prostitutas e das abominações da terra. Vi à mulher embriagada com o sangue dos santos e do sangue dos mártires de Jesus. Quando a vi fiquei assombrado com grande assombro".  Apocalipse, 17.

No mesmo capítulo 17.9, a Palavra Escrita identifica a Babilônia, a grande prostituta, estando ela assentada numa cidade entre sete montes. A cidade que fica entre sete montes, ou entre sete colinas, chama-se ROMA, onde as atuações dos chefes católicos remontam desde o século 4º da era Constantino, o homem que mudou para pior os rumos do cristianismo, como veremos a seguir.   Bem, voltando à histórica Roma dos papas e papas, ela fica entre as sete colinas, a saber:

Roma é conhecida mundialmente como a cidade das sete colinas. Os cristãos, antes perseguidos ferozmente pelo Império Romano, se escondiam nas catacumbas sob as sete colinas.  Os clérigos católicos tentam assimilar a Lisboa, Portugal, que também tem sete colinas,  se bem que ali houve uma Inquisição quase tão mortal como a espanhola, mas nada teve a ver com a Babilônia das Sete Colinas, pois a História nos conta que as catacumbas nas quais se escondiam os cristãos, eram sob as sete colinas, em Roma.

 Antes de tomar conhecimento das ações demoníacas dos integrantes da Igreja no século 16, cujo chefe era o luxuriante Papa Leão X, ao chegar a Roma advindo da Alemanha, Matinho Lutero quando viu a cidade das sete colinas, com profunda emoção, sem ainda tomar conhecimento da extensa corrupção clerical, em todos os seguimentos. caiu de joelhos e, levantando as mãos para o céu, exclamou: “Salve Roma Santa!".

Mas quando tomou conhecimento da inenarrável corrupção do clero católico, bradou:

“Ninguém pode imaginar as ações infames e os pecados que se cometem em Roma. Se existe mesmo o Inferno, Roma está construída sobre ele”. Martinho Lutero, ao visitar Roma, assombrado com tanta corrupção humana do papado romano.

Os sete montes sobre os quais está situada Roma são: Palatina, Capitolina, Quirinal, Viminal, Esquilina, Celia e Aventina.

O clero católico, na tentativa de esquivar-se da certeza de ser Roma e o Vaticano a Grande Babilônia das Abominações da Terra, alega estar o Vaticano fora dessa profecia, pois se Roma está situada entre as sete colinas, o Vaticano está mais a Oeste de Roma.

Bem, todos no mundo sabem que o Vaticano fica em Roma, e ponto final. Por todos os séculos passados nunca houve e não há como, de forma alguma, citar o Vaticano sem relacioná-lo a Roma. No mais, as profecias do Apocalipse não eram dirigidas a acontecimentos da História, tal como o Império Romano, nem aos acontecimentos políticos que envolveram Roma, mas foram dirigidos, essencialmente, a profecias de cunho espiritual: tudo o que envolveria a Igreja de Jesus; tudo o que envolveria os “sucessores dos apóstolos de Jesus” e seus desmandos quando se elevaram a reis da Terra; relacionados, também à Grande Volta de Jesus, pois por ocasião desse monumental evento, o Senhor Deus fará valer, pela primeira e definitiva vez, a Justiça Divina não encontrada na Terra até o momento do toque da primeira das trombetas dos sete anjos. 

Portanto, a cidade de Roma em si, a cidade física ou política, está fora do contexto das profecias do Apocalipse, mas o Vaticano, situado em Roma, é alvo indiscutível e real das profecias divinas que o denominam como a Grande Babilônia da Grande Prostituta das abominações da Terra:

“Então, exclamou o anjo com voz potente: “Caiu, caiu a Grande Babilônia, e se tornou a Morada dos Demônios, o covil de toda espécie de espírito imundo e esconderijo de todo gênero de ave imunda e detestável, pois todas as nações têm bebido do vinho do furor de sua prostituição!”.  Apocalipse, 18.2, profecias de um anjo glorioso de Deus, a respeito das ações satânicas comandadas pelo Vaticano por 12 séculos, seis dos quais sob o regime da atroz e satânica Inquisição católica.

Vi à mulher embriagada com o sangue dos santos e do sangue dos mártires de Jesus. Quando a vi fiquei assombrado com grande assombro". Apocalipse, 17.

Ora, por que João ficou tão surpreso, que de tanta surpresa ficou atônito e até assombrado com o que viu?  Ora, João não se mostrou surpreso nem com as sete terríveis maldições do Apocalipse que lhe foram mostradas, altamente arrasadoras para a Terra e para os ímpios, mas ficou muito surpreso, até o assombro, com a descrição das barbaridades que cometeriam os “sucessores” dos apóstolos de Jesus na Idade Média, também antes, séculos depois de Constantino, e ainda depois da Idade Média para os tempos de hoje.  

João, o evangelista, assombrou-se com grande assombro ao se inteirar das profecias nas quais a Igreja de Jesus seria lançada na mais sórdida lama espiritual e seria comandada pelo próprio Satanás, como de fato o foi e ainda é, pois os papas ainda não conseguiram se desvencilhar da glória humana do Vaticano e das extensas riquezas mundanas, e o clero como um todo não conseguiu se desvencilhar de sua doutrina catastrófica, se comparada com a Bíblia.  Por isso precisam do visual físico do Vaticano e das riquezas que lhe dão o prestígio mundano para tentar equilibrar o prestígio espiritual que não têm, pois começaram a perder a verdadeira espiritualidade quando Satanás conseguiu fazer com que os chefes católicos passassem a habitar os palácios dos homens, a viver a tutela dos reis, e depois se tornaram reis, e depois cometeram as maiores barbaridades físicas e espirituais.

Pela Palavra de Deus concluímos, facilmente, que FOI SATANÁS QUEM PASSOU A COMANDAR A IGREJA aos tempos dos papas, principalmente a partir do século V, e a corrompeu tanto que cumpriu-se as profecias do Apocalipse quanto aos santos vivos que seriam vencidos, como de fato o foram, e ali, sob o domínio do mal, passaram a cometer barbaridades tão extensas, extremamente mais graves que as cometidas pelos piores bárbaros do mundo, porque além dos danos morais e físicos, o faziam “satanicamente” em o Nome de Deus.

“Sai dela, povo meu, para não serdes cúmplices em seus pecados e para não participardes de seus castigos”. Apocalipse, 18.4.

A Palavra de Deus revela, até no Antigo Testamento o assombro de Daniel, quando lhe foi mostrado o que o corpo clerical católico faria da Santa Igreja de Jesus e dos Dez Mandamentos, mudando os tempos e as leis. Daniel empalideceu, tal como João da Ilha de Pátmos assombrou-se, com grande espanto:

“Proferirá palavras contra o Altíssimo; magoará os santos do Altíssimo e cuidará em mudar os tempos e as leis, e os santos lhe serão entregues nas mãos...”.  Quanto a mim, Daniel os meus pensamentos (a respeito) muito me perturbaram e meu rosto empalideceu, mas guardarei essas coisas em meu coração”. 
Revelações do Espírito Santo de Deus, em Daniel, 7.25 3 28, que profetiza o que o homem chegaria a fazer com a Igreja de Jesus, principalmente na Idade Média.

  “O dragão irou-se com a mulher (a Igreja de Deus) e foi fazer guerra aos outros seus filhos que guardam os Mandamentos de Deus e retêm o testemunho de Cristo”. Apocalipse 12.17.
 Nas profecias do Apocalipse está claro que Satanás venceria os santos, em sua maioria:

Foi-lhe permitido fazer guerra aos santos e vencê-los. Apocalipse, 13.7.

Ou será que alguém pode achar que Satanás, um anjo de luz ativo, que já na Criação  ousou desafiar o próprio Criador, no próprio Paraíso criado para o primeiro casal, para a Humanidade, corrompeu o homem e até na primeira família levou um irmão a matar a outro, que foi a causa da corrupção humana aos tempos de Noé e aos tempos das cidades de Sodoma e Gomorra e circunvizinhas, teria ficado quietinho nesses dois mil anos apenas assistindo a Igreja de Jesus prosperar a vontade?

Não! Não é isso que a Bíblia nos revela...

Comandados por Satanás, os papas e seus guerreiros promoveram inúmeras guerras de sangue por ódio e por conquistas pessoais, tais como nas guerras contra os mouros, contra os anabatistas, contra os huguenotes, contra os cátaros, contra os protestantes em geral, na dizimação dos ciganos, dos homossexuais, dos inimigos em geral, das “bruxas” e “bruxos”, nas centenas de milhares de matanças executadas pelos baderneiros Cruzados, nas matanças dos judeus e dos dissidentes católicos que só desejavam libertar-se do domínio de Satanás e seus papas romanos, e com isso mataram e torturaram mais gente, direta ou indiretamente, que os mortos contados na Segunda Guerra Mundial. Sabe-se que os mortos da Segunda Guerra Mundial foram aproximadamente 50 milhões.  Fontes seguras nos livros abaixo relacionados.

“A Babilônia a grande, a mãe das prostitutas e das abominações da terra . Vi à mulher embriagada com o sangue dos santos e do sangue dos mártires de Jesus”.  Apocalipse 17:6

O clero católico, também para desviar-se das profecias do Apocalipse que apontam o Vaticano como a Grande Babilônia e a Grande Prostituta das abominações da Terra, alega que o Apocalipse se referia à Babilônia antiga, a do Nabucodonosor e Baltazar.  Errado! Tudo errado! Completamente errado, pois o Apocalipse prediz fatos que acontecerão e que aconteceriam e não coisas do passado. Ademais a Antiga Babilônia remontava há mais de cinco séculos antes de Cristo. O Apocalipse profetiza fatos que aconteceriam depois do evento da Ilha de Pátmos, portanto, não regride ao passado em suas profecias e nem se importa com os desmandos dos reinos antigos e até dos presentes, na época, tal como os desmandos do Império Romano. Portanto, a Grande Prostituta, a grande Besta do mal, a Grande Babilônia, são uma coisa só: A instituição católica na qual tem a sua sede mundial da glória humana no Vaticano.

Quanto ao fim da Babilônia de Nabucudonosor, a Palavra de Deus já tinha as suas próprias profecias a respeito:

“Caiu, caiu a Babilônia e todas as imagens de escultura e seus deuses jazem despedaçados por terra”.. Isaías, 21.9.

“Babilônia, a joia dos reinos, glória e orgulho dos caldeus, será como Sodoma e Gomorra, quando Deus as destruiu. Nunca mais será habitada...”.  Isaías, 13.19. Isaías, sim, se referiu à Antiga Babilônia. Apesar de que a Babilônia do Apocalipse nada tem a ver com a Antiga Babilônia, pois não profetiza fatos passados, mas, sim, futuros, mas ambas as babilônias têm algo em comum:

“Babilônia, a joia dos reinos, glória e orgulho dos caldeus, será como Sodoma e Gomorra, quando Deus as transtornou.   Nunca jamais será habitada, ninguém morará nela de geração em geração; o arábio não armará ali a sua tenda, nem tampouco os pastores farão ali deitar os seus rebanhos.  Porém, nela, as feras do deserto repousarão, e as suas casas se encherão de corujas; ali habitarão os avestruzes, e os sátiros pularão ali.  As hienas uivarão nos seus castelos; os chacais, nos seus palácios de prazer; está prestes a chegar o seu tempo, e os seus dias não se prolongarão”.  Isaías, 13.19.

A profecia do julgamento da Grande Babilônia, o Apocalipse 17:6 cita:
 "E vi que a mulher estava embriagada do sangue dos santos, e do sangue das testemunhas de Jesus. E, vendo-a eu, maravilhei-me com grande admiração". 

Sobretudo, para anular totalmente a confusão das Babilônias criada pelo clero católico,  basta notar que a Babilônia antiga jamais poderia ter assassinado os mártires de Jesus, então vejamos:

A maior das provas de que as profecias do Apocalipse, quanto à Babilônia das Abominações da Terra não eram dirigidas à Babilônia de Nabucodonosor, é que as profecias apontam para um poder, uma instituição que estava bêbada de tanto sangue inocente sangrado dos mártires e das testemunhas de Jesus.  Ora, ao tempo da Babilônia, quase seis séculos antes de Jesus, é certo que não havia uma só das testemunhas de Jesus.  

Portanto, sabendo-se que a Igreja, a Babilônia Maldita, não a Igreja espiritual de Jesus, mas o que os homens fizeram dela, assassinando as testemunhas de Jesus, os santos vivos que só queriam viver Jesus pela Palavra Escrita,
 o Vaticano é, mesmo, a Grande Babilônia, a Maldita, a Grande Prostituta das sujeiras e das abominações da Terra, a Grande Besta do Apocalipse, que será destruída com alta desonra no dia da Volta de Jesus:

“Então, um anjo forte levantou uma pedra, como grande pedra de moinho, e jogou-a para dentro do mar, exclamando: “Assim, com ímpeto, será arrojada a Grande Babilônia, a Grande Cidade, e nunca mais será achada!”.  Apocalipse, 18.21.

Ora, se o Vaticano e tudo o que representa vai ser destruído com alta desonra pelos anjos a mando do Senhor, é certo que ainda será um reinado até o dia da Volta de Jesus, pois, segundo a maldição que o acompanha, ainda pisam nos Mandamentos de Deus; ainda diminuem a Palavra Escrita de Deus para que dê espaço à sua estranha doutrina, doutrina essa que ainda teimam em ensinar e praticar, advindas de seus insólitos e malditos dogmas, dogmas esses advindos  de seus famigerados concílios, concílios esses advindos de homens que nada tinham de servos de Jesus, mas ao contrário, todos eles eram fiéis seguidores do Adversário, por isso o catolicismo hoje se sustenta apenas pelo visual, pois o conteúdo está podre, segundo os livros de diversos autores abaixo relacionados.


Alguns de meus blogs que tem tudo a ver com o catolicismo corrompído:

  
http://aigrejaescondeoconciliodetoulouse.blogspot.com.br/





  Como poderiam ser servos de Jesus se os homens do clero dos 1260 anos de corrupção clerical, com predominância satânica nos seis séculos da Inquisição, que só terminou com a proibição por Napoleão, mas ainda depois da morte dele, ávidos de sangue e recipientes vivos do ódio, o papado romano de Satanás tentou retomar as rédeas malditas da Inquisição, para manter o poder pelo medo, pelo pavor, mas por conta do Iluminismo e da perda do medo das tais excomunhões que não vale para nada, o mundo não permitiu

Por isso tudo, para que se cumpram as profecias do Apocalipse 16:19 até o capitulo 19, vai manter-se incólume, indestrutível...

O julgamento do Vaticano do Apocalipse:

“O quanto a si mesma se glorificou e viveu em luxúria, dai-lhe em igual medida tormento e pranto, porque diz consigo mesma: estou sentada como Rainha. viúva não sou. pranto, nunca hei de ver. por isso, em um só dia, sobrevirão os seus flagelos: morte, pranto e fome; e será consumida no fogo, porque poderoso é o Senhor Deus que a julgou”.  Apocalipse, 18.7.

O Vaticano é uma instituição maldita e diabólica  Por ser comandada por Satanás, não consegue se livrar das suas tradições, dos erros doutrinários bíblicos instituídos por seus famigerados dogmas, sob os quais conseguiu elevar até os Céus de Deus, por decreto papal, por um papa racista Pio 12, até o velho corpo da mãe de Jesus, da mulher de José, 19 séculos e meio depois da morte dela, como também por decreto oficializaram o fantasioso Purgatório e mais uma dezena de preceitos doutrinais católicos, a saber satânicos, que não têm fundamentações na Palavra Escrita.

Por ser o Vaticano uma entidade de Satanás, sustentada com um visual que empolga o mundo, até o mundo pagão, por ser uma rica instituição com o máximo de prestígio mundial, de glória, de pompa e de riquezas materiais, por ser uma instituição mundial que mostra um papa vestido em vestes de reis e regendo o catolicismo sob um imenso conglomerado arquitetônico de abismar qualquer ser vivente, cercado com honras dos principais líderes mundiais que vão ajoelhar-se perante ele e beijar-lhe seus anéis perante as grandes redes de TV, esse palácio de Satã vai continuar a viver a maldição, achando, segundo a sua tradição secular, que vive a Verdade de Deus. 

Assim como o Visual que empolga, as grandes catedrais, as missas cantadas de Palestrina, o visual que empolga de Maria, sempre jovem vestida de brando com um cito azul, do visual dos "santos" santificados pelo homem, do visual dos paramentos nas missas, vai continuar com a pompa e a glória humana e com seus erros doutrinários até a consumação dos séculos, quando então se deparará com a Verdade verdadeira, de modo terrível, mas então, aí será tarde.

O Vaticano é um conglomerado dezenas de milhares de metros quadrados de fina construção, assentado num lote de terreno caríssimo em Roma, de 465.000 M2, cercado com muralhas com 18 metros de altura e vigiado por mais de 200 câmeras e por um batalhão de seguranças, edificado para ser a sede dos reis do mundo, como de fato foram diversos papas até o Papa Pio IX, que possui milhares de milhares de imóveis pela Terra, Palácio de Veraneio para os papas, chamado Castelo Gandolfo, centro de astronomias, sendo um em Roma e outro no Estado do Arizona que juntos consomem um milhão de dólares anuais para manutenção, cujo montante mundial, segundo a Mídia de 2016, possui um patrimônio de três trilhões de dólares americanos.

O Vaticano está lotado de obras de arte, tanto quadros como esculturas e outros artefatos de alta raridade, que se leiloados, garantiriam a Terra sem fome por um bom tempo. Se a verdade de Deus é esta do Vaticano de ontem e de hoje, Jesus estava completamente enganado ao viver como viveu, na humildade das sandálias e do sustento pela caridade, repassando isso aos seus apóstolos e discípulos, por consequência a nós outros, os santos vivos. 

Para avaliar o que representa o Vaticano em termos espirituais, sempre faço uma pergunta: Se Jesus ou Simão Pedro viessem à Terra hoje para, digamos, melhorar o cristianismo, acaso habitariam o ostentoso e esplendoroso Vaticano, se vestiriam como os papas e se assentariam no majestoso trono deles?  Conservariam as riquezas do Vaticano que somadas por todo o mundo alcançam a estrondosa cifra de três trilhões de dólares?  Não?  ENTÃO O VATICANO NADA TEM A VER COM JESUS.

“Tendes aqui alguma coisa para comer?”.  Perguntou Jesus aos seus discípulos, após a sua ressurreição, em Lucas, 24.41.  “Não”, responderam eles.

Nem Jesus tinha endereço fixo, e se voltasse hoje à Terra, tanto Ele quanto Simão Pedro, por certo a primeira providência de ambos, como o seria a de desmontar o esplendoroso Vaticano como um todo, venderia todo o patrimônio da Igreja que gira em torno de TRÊS TRILHÕES DE DÓLARES e mataria a fome do mundo,e ainda ensinaria os pobres a pescar, pois como está, agride, com alta gravidade, aos preceitos do Evangelho, tantos nos séculos dos horrores católicos quanto ainda hoje.

“Até as raposas têm seus covis e as aves têm seus ninhos, mas o Filho do homem nem lugar tem para recostar sua cabeça”.  Mateus, 8.20.

Quanto ao “primeiro papa”, Simão Pedro, como quer o catolicismo, não fez votos de pobreza material, mas era evidente a sua pobreza:

“Não possuo nem prata nem ouro, mas o que eu tenho te dou: Em nome de Jesus, o Nazareno, levanta e anda”.  Atos, 3.6.

Na história das centenas de papas "santos", sumos pontífices" não há um só deles que curou um entrevado à sua frente, como fazia o "pobre" Simão Pedro, Paulo e todos os demais apóstolos de Jesus.

“Eis que vos envio para o meio de lobos. Não leveis nem alforjes, nem sandálias, nem duas túnicas...”.   Lucas, 10.3.

O Vaticano sempre foi e sempre será uma entidade comandada por Satanás, que é esperto e poderoso suficiente para fazer parecer que os papas, seus servos vivos, são servos de Deus.

Deus tirou a Gloria de seu mais poderoso anjo, um anjo de luz: Lúcifer, ou seja: Satanás, mas não tirou o poder dele, pelo menos até o Grande Dia da Justiça, pela qual tudo se resolverá, definitivamente.

E assim, para que se cumpram as profecias do Apocalipse quanto à destruição do Vaticano como um todo, o catolicismo não poderá sucumbir até lá

Waldecy Antonio Simões     walasi@uol.com.br   netsimoesnetsimoes@gmail.com


Bibliografia sobre dados relatados sobre os horrores Inquisição e muito mais:

Jeovah MENDES. Os piores assassinos e hereges da história. 1997.
O Papa e o Concílio. De Tayne, Historiador da Literatura Inglesa. Coroado pela Acad. Francesa.
Earle E CAIRNS. O cristianismo através dos séculos.  1977.
Eamon Duffy. Santos e Pecadores.
Ralph WOODROW.  Babilônia: a religião dos mistérios.
Vidas ilustres. Coleção - Volumes VI (os cientistas) e IX (líderes religiosos) e outras publicações, tanto de livros como de jornais.
Ernesto L. Oliveira: Roma, a Igreja e o Anticristo.
Fidel FifaLos conjurados de Sevilla contra la Inquisición  em 1480.  1890.
Bernard e Vicent.  Historia de los moriscos. Vida y tragedia de uma minoria.  Madri, 1978.
J. Amador de los Rios: Historia social, politica y religiosa de los judios em España y Portugal.   Madri, 1984.
Micael Baygent  Inquisição.
Angel Alcalá: Inquisión española y mentalidad inquisitorial. Barcelona, 1984.
Idem: Los orígenes de la Inquisición em Aragon, S. Pedro Arbués mártir de la autonomia aragonesa. Saragoça, 1984.
Ricardo Garcia Cárcel. Herejía y sociedade en el siglo  XVI.La Inquisición em Valencia (1530 – 1609). Barcelon, 1980.
Idem: Orígenes de la Inquisición española. El tribunal de Valencia.  Barcelona, 1976.
Jean Guiraud: Histoire de L”Inquisition au Moyen Âge. Paris 1935.
Haliczer Stephen:  Inquisition and society in early modern Europe. Londres, 1987.
John Henningsen Gustav e Tedeschi:   The Inquisition and society in early modern Europe. EUA 1986.
Henry Charles Lea: A History of the Inquisition of Spain. EUA, 1906.
Idem: A History of the Inquisition of the Middle Ages. EUA, 1906.
Idem: The Inquisition of the Spain dependencies. 1908.
Henri Maisonneuve: Études sur les origins L”Inquisition. Paris, 1942.
Jaime Contreras: El Santo Oficio de la Inquisicion de Galicia (poder, sociedad y cultura). Madri, 1982.
Jean-Pierre e Dedieu: Geografia de la Inquisición espagñola: la formación de los distritos, 1470-1820.
Miguel Avilez Fernandez; Los inquisidores generales: estudio del alto funcionariado inquisitorial em los siglos XV y XVI.  Ifigea, 1084.
Bartolomé Bennassar:  Aux origines du caciquisme? Lês familiers de L”Inquisition em Andalousie au VIIe siécle.  1976.
Idem: L”Inquisition espagnole XV – XIX siécle. Paris, 1979.
Francisco Bethencourt: The Auto da fé: ritual and imagery. 1992.
Louis Cardaillac: Moriscos y cristianis viejos: un enfrentamiento polemico. 1492-1640. Madri, 1979.
Julio Caro Baroja:  Lãs brujas e su mundo. Madri, 1966.
Idem: Los judios e la espana moderna y contenporanea. 1963.
Idem: Los moriscos Del Reino de Granada. Madrid, 1957.
Idem: Vidas mágicas y Inquisición.  Madrid, 1967.
Rafael Carrasco: Prelúdio al “siglos de los portugueses”. La Inquisicion De Cuenca y los judaizantes lusitanos em el siglo XVI, Hispania  XLVII.
Idem; L”administration de la foi. L”Inquisition de Tolède. XVI – XVII siècle.  Madri, 1989.
Idem: Les causes de que foi L”Inquisition de Tolède. 1978
Idem: Les Inquisition de Tolède et la visita de district. La sédentarisation d”un tribunal, 1550 a 1639.  1977.
Idem: Responsabilité de I”Inquisicion dans le retard é économique de l”Espagne? Eléments de réponse, em aux orígenes du retard économique de la Espagne. XVI – XIX siècle. Paris, 1983, juntamente com outros autores.
Marcelin Defourneaux. La Inquisición espagnole et les livres français du XVII siècle. Paris, 1963.
Antonio Dominguez Ortiz.  Autos de la Inquisitión de Sevilla (siglo XVII). Sevilha, 1981.
IDEM: Los judeos conversos em la Espana moderna. Madri. Primeira edição em 1955
Miguel Echeverria Goicoechea. Distribución y numero de los familiares Del Santo Oficio em Andalucia durante los siglos XVI – XVIII.  1987.
José Antonio EscuderoPerfiles jurídicos de la Inquisitón española. Madri, 1989.
José A Ferrer BenimeliLa masoneria española em el siglo XVIII. Madri, 1986.
Idem: Masoneria, Iglesia y ilustración. Madri, 1976.
Maureeen Flynn. Mimesis fo the lãs judgment: the Spanish auto de fé. EUA, 1991.
Juan Carlos Gallende Días. El Santo Oficio y los primeros Borbones. (1700 – 1759). Espanha, 1988.
Stephen Haliczer. Inquisition and society in the Kingdom of Valencia, 1478 – 1834. EUA 1990.
Gustav Henningsen. El abogado de las brujas. Brujeria vasca e Inquisición española (tradução do Inglês). Madri, 1983.
Idem “El banco de datos” Del Santo Oficio: las relaciones de causas de la Inquisición española (1550 – 1700).  1977.
Álvaro Huerga. Histori A História dos Concílios, vol. XIV, col 109, por Labbe e Cossart),a de los alumbrados.  Espanha, 1978.
Pilar Huerga Criado. La etapa inicial del Consejo de Inquisición  (1483 – 1498) Espanha, 1985.
Inquisición espagñola. Nuevas aproximaciones.  1987. Vários autores.
Henry Carmem. La Inquisición espagñola  (tradução do Inglês). Barcelona,  1985.
Henry Charles Lea. The moriscos of Spain: their conversion and expulsion. Eua, 1968.
BURNS, E. M., Western Civilizations, Their History and Their Culture, W. W. Norton & Co. Inc., New York, 1968.
João Bernardino Gonzaga, A Inquisição em seu Mundo, Saraiva, 8a. edição, São Paulo
Rino Camillieri, La Vera Storia della Inquisizione, Piemme, Casale di Monferratto, 2001, p. 31).
ANKERBERG, J., Weldon, J., The Facts on Halloween: What Christians Need to Know. Harvest House, Oregon, 1996.
A Concise History of the Baptists by G.H. Orchard (1855). Livro.
A History of the Christian Church by William Jones (1812). Livro.
http://www.geocities.com/I_hate_spammers/waldenses2.html#chapter1 "The Waldenses: An Examination of the Doctrines of This Medieval Sect" by Thomas Williamson.
The Origin of the Baptists.  S.H. Ford.
History of the Donatists.  David Benedict.
The history of the christian church, from the birth of Christ to the 18th Century: including The very interesting account of the Waldenses and Albigenses. By William Jones. 1762-1843.
A History of the English Baptists.  Joseph Ivimey, 1811.
The history of the waldenses.  J. A. Wylie. 1808-1890.
Rasto de sangue. J.M. Carroll. Bestseller.  Clássico.  A História, desde o século I até hoje
Palestras do cardeal Wiseman: “The real presence”.
De James Aitken Wylie (1808-1890) “History of protestantism”
George Elliot ou Mary Anne Evans, 1880 “The abiding sabbath”.
Henry Tuberville “An abridgement of the christian doutrine”.

“Livro das Sentenças da Inquisição” (Liber Sententiarum Inquisitionis) o padre dominicano Bernardo Guy (Bernardus Guidonis, 1261-1331), conta como se deveria usar a tortura de modo bem convincente, provocando toda a dor possível sem matar, para sobrar o gosto satânico de ver o semelhante assado nas fogueiras de Satanás.

Waldecy Antonio Simões 


Todos os meus textos são livres para publicações, desde que os textos não sejam alterados


Meus blogs:















http://ainfalibilidadedospapasewabsurda.blogspot.com.br/





























                                                          













































                            












 Waldecy Antonio Simões. walasi@uol.com.br

Todos os meus textos são livres para publicações, desde que os textos não sejam alterados

Eu sou a voz que clama na Internet.

 “Então, no Reino do Pai, os justos resplandecerão como o Sol”.  Promessa de Jesus, em Mateus, 13.43